lunedì 17 gennaio 2011

Gaivota








Gabbiano


Se un gabbiano arrivasse
portando il cielo di Lisbona
nel disegno che ho fatto,
in quel cielo in cui lo sguardo
è un'ala che non vola,
cade sfinito nel mare...

Che cuore perfetto allora
in me batterebbe,
il mio amore in mano tua,
il mio cuore che è  
perfetto in mano tua.

Se un marinaio portoghese
che solca i sette mari
fosse, chissà, il primo
a narrarmi le sue storie,
se uno sguardo di nuovo vivo
al mio sguardo si allacciasse.

Che cuore perfetto allora
in me batterebbe,
il mio amore in mano tua,
il mio cuore che è 
perfetto in mano tua.

Se nel dire addio alla vita
tutti gli uccelli del cielo
mi concedessero, nella mia dipartita
il tuo ultimo sguardo,
quello sguardo che era solo tuo,
amore che fosti il primo.

Che cuore perfetto allora
in me batterebbe,
il mio amore in mano tua,
il mio cuore che è 
perfetto in mano tua.
Gaivota


Se uma gaivota viesse
trazer-me o céu de Lisboa
no desenho que fizesse,
esse céu onde o olhar
é uma asa que não voa,
esmorece e cai no mar.

Que perfeito coração
no meu peito bateria
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se um português marinheiro,
dos sete mares andarilho,
fosse quem sabe o primeiro
a contar-me o que inventasse,
se um olhar de novo brilho
ao meu olhar se enlaçasse.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro.

Que perfeito coração
morreria no meu peito,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde perfeito
bateu o meu coração.




Poema de Alexandre O'Neill